Vida de professor da rede pública

Súplica Cearense

sexta-feira, 31 de julho de 2009

DIFERENTES VERSÕES

Durante muitos anos, a versão oficial sobre o descobrimento do Brasil assegurava que, após 45 dias em alto-mar, Pedro Alváres Cabral chegou por acaso no litoral brasileiro. Entretanto essa explicação foi revista por vários historiadores brasileiros e portugueses que procuram provar a intencionalidade da viagem de Cabral.

TEXTO 1
Por acaso
"(...) Cabral seguiu em direção ao ocidente, desejando permanecer em águas calmas, mas foi levado mais a oeste pelo vento, alcançando uma terra que chamou Ilha de Vera Cruz ...)"
EXPLORADORES do Novo Mundo [CD-ROM], Softkey Multimedia, 1996.
TEXTO 2
O relato do cosmógrafo Duarte Pacheco Pereira
"(...) ganha força a hipótese de que o português Duarte Pacheco, um dos navegadores mais competentes e bem preparados da época, tenha estado no Brasil, a mando do rei D. Manuel I, um ano e meio antes de Cabral, entre novembro e dezembro de 1498. A possível prova de sua viagem está num livro de sua autoria, o Esmeraldo de situ orbis, escrito entre 1505 e 1508, no qual se lê que:'Vossa Alteza mandou descobrir a parte ocidental, passando além a grandeza do mar oceano, onde é achada e navegada uma tam grande terra firme, com muitas e grandes ilhas adjacentes a ela e grandemente povoada... e corre com muita longura que de uma parte nem de outra não foi visto nem sabido o fim e o cabo dela. É achado nela muito e fino brasil'."
COLOMBINI, Luis. Os outros descobrimentos do Brasil. In: Terra, ano 7, n.4, abr. 1998. p 42-3

TEXTO 3
"Cabral tinha 33 anos ao ser nomeado chefe da 'segunda armada da Índia' em fevereiro de 1500. Ao longo daquele mês, teve várias reuniões com Vasco da Gama, recebendo instruções detalhadas sobre como navegar até a Índia. Vasco da Gama com certeza também falou sobre as aves marinhas que vira voando em direção ao oeste, em pleno Atlântico. Portanto, antes de zarpar de Portugal, Cabral já fora informado de que talvez encontrasse novas terras no caminho para o Oriente, caso abrisse sua rota um pouco mas para o Ocidente. Convém lembrar que, desde a assinatura do Tratado de Tordesilhas, firmado seis anos antes, Portugal obtivera soberania sobre boa parte do suposto território que ficava próximo às terras que Colombo havia descoberto em 1492."
BUENO. Eduardo. Brasil! Terra à vista. Porto Alegre. L&PM, 2000.p.61.

1. Conforme cada um dos textos, o que se pode entender acerca da intencionalidade ou não da expedição de Cabral de chegar ao Brasil?

2. Escolha uma das duas hipóteses e procure justificá-las com argumentos dos textos.
Atividade extraída do livro: História Temática. Diversidade Cultural e Conflitos. 6ª Série/Cabrini, Catelli, Montellato. - São Paulo: Scipione, 2004.pp.62-3.

DESAFIO - 2º ANO

DESAFIO - 2ª ETAPA
Aos que chegaram até aqui meus parabéns.
Queridos alunos/alunas, estamos juntos novamente. A atividade abaixo é uma atividade extra, como na primeira etapa e é também de participação voluntária.

INSTRUÇÕES
1. O desafio e de caráter individual;
2. As respostas deverão ser enviadas via e-mail, até a data estipulada;
3. Nas respostas deverão constar as fontes, quando necessário;
4. O aluno/aluna terá maior pontuação de acordo com o tempo de envio das respostas;
5. Só seguirão para a próxima etapa os alunos que acertarem as respostas da etapa.

2ª Etapa.
Esta segunda etapa, do desafio, é uma análise de uma tele-aula (TV WEB ANGLO), postado no site do Curso ANGLO - a propósito, agradeço ao Colégio Curso Anglo, pela utilização do seu material - sobre a chamada "Revolução Constitucionalista de 1932". Para acessar a aula é necessário seguir a seguinte caminho: http://www.angloararaquara.com.br/araraquara/inicioar.asp e depois clicar na janela História ao Vivo, que se encontra a esquerda da sua tela e logo após clicar em anteriores, no alto da tela, e procurar a aula: 09 de Julho dos paulistas. Apresentada e comentada pelos professores Jucenir Rocha e Mark.
1. A atividade, consiste em fazer um comentário sobre a tele-aula, destacando a visão dos paulistas sobre os acontecimentos e relacionando, esta mesma visão, com o seu livro didático.

2. O cartaz abaixo é uma montagem da época, do movimento, que junta a imagem de um soldado convocando os paulistas para a luta com a foto de quatro jovens. A atividade consiste em descobrir quem são esses quatros jovens e qual a importância deles para a "Revolução de 30".
Fontes para consulta:
As respostas deverão ser enviadas por e-mail, até o dia: 25 de agosto.
Obs. Só poderão participar dessa atividade os alunos/alunas que tiverem passado na primeira etapa.

quinta-feira, 30 de julho de 2009

CAMINHO DO OURO

Essa é uma atividade interativa para os alunos/alunas do 1º Ano do Ensino Médio (1º Turno) do Colégio Estadual Rubens Farrula e tem como objetivo inserir as novas tecnologias na prática pedagógica e proporcionar um ambiente de aprendizagem mais dinâmico e interessante para você aluno/aluna. Contribuindo assim para uma aprendizagem mais eficaz e quem sabe mais divertida.
Tema principal: A Expansão Territorial e a Descoberta das Minas
Tema secundário: A Entradas e Bandeiras e a Região Mineradora.
Iniciaremos a nossa viagem com a leitura de alguns textos. O dois primeiros retirados da Revista de História da Biblioteca Nacional e o terceiro da Revista Nova Escola que analisa as Bandeiras e os Bandeirantes. E os outros dois do site História por Voltaire Schilling sobre a descoberta do ouro.
1ª Etapa
Aprofundamento.
Reportagem publicada na Revista Superinteressante em abril de 2000, sobre novas pesquisas referentes aos bandeirantes.
2ª Etapa

Agora que os textos, da primeira etapa, foram lidos e analisados, responda:
1. Quem eram os bandeirantes?
2. Como era a vida dos bandeirantes?
3. Quais os motivos para as bandeiras?
As respostas deverão ser enviadas para o e-mail: wsshist@gmail.com
Data a combinar.

Após analisar os textos e responder as perguntas, avalie se você concorda com a frase abaixo, extraída do site: http://www.suapesquisa.com/historia/bandeirantes/apesquisa.com/historia/bandeirantes/.
Justifique.
"Os Bandeirantes foram os homens valentes, que no princípio da colonização do Brasil, foram usados pelos portugueses com o objetivo de lutar com indígenas rebeldes e escravos fugitivos".
Esta resposta deverá ser entregue ao professor em folha separada em data a ser combinada.

HISTÓRIA E IMAGEM


Tendo como base as suas leituras qual dessas imagens representam mais fielmente os bandeirantes? Justifique.
Resposta nos comentários.
CURIOSIDADES
A corrida do ouro
Veja como ocorre o processo de formação do metal precioso.
Dinheiro não dá em árvore, mas pepitas de ouro podem brotar no seu jardim, se você tiver paciência para esperar uns 100 mil anos. Esse é o tempo que leva para microorganismos dissolverem o ouro de sua fonte original e condensar o mineral no quintal mais próximo. Segundo Frank Reith, geomicrobiologista da Universidade Nacional Australiana, há muito tempo se pensava que o ouro só era encontrado junto de rochas como o quartzo. Mas o mineral começou a aparecer a quilômetros das jazidas e a despertar a curiosidade de pesquisadores como ele. Reith pegou amostras de três diferentes tipos de solo da Austrália e colocou microorganismos para interagir com a terra. Descobriu que, nas jazidas, bactérias e fungos separam o ouro de outros minerais e fazem com que pequenas quantidades se dissolvam em água. Assim, o ouro pode viajar por lençóis freáticos. Esse ouro pode chegar à superfície se for absorvido pela raiz das plantas. Ou ser atacado novamente por bactérias que vão, dessa vez, formar pepitas. "Estou pesquisando o DNA que encontramos nas pepitas para saber quais organismos atuam", diz Reith. A boa notícia é: "Pepitas de ouro cobertas por fósseis de micróbios foram achadas na Venezuela. É provável que também ocorram no Brasil, em regiões de chuva e altas temperaturas". Agora é correr para o jardim e cavar.

CAÇA AO TESOURO

DESAFIO

Trabalho extra classe para os alunos do 7º ano do Colégio Estadual Rubens Farrula
A participação é voluntária.

1. Esse mapa representa:
a) O Brasil atual;
b) As características econômicas do Brasil Colonial;
c) As Capitanias Hereditárias;
d) As Grandes Navegações.

Se você escolheu a alternativa a, acesse o link abaixo e confirme a sua resposta:
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/mapas-do-brasil/index.php
Se você escolheu a alternativa b, acesse o link abaixo e confirme a sua resposta:
http://br.geocities.com/geografez/pagina140.htm
Se você escolheu a alternativa c, acesse o link abaixo e confirme a sua resposta:
http://www.portalmix.com.br/regional/historico.php
Se você escolheu a alternativa d, acesse o link abaixo e confirme a sua resposta:
http://contextopolitico.blogspot.com/2008/12/histria-moderna-as-grandes-navegaes.html

2. Agora que você pesquisou e encontrou a resposta correta, responda:
a) Qual é a alternativa correta?
b) Quantas alternativas você marcou antes de encontrar a resposta correta?
c) Faça um pequeno resumo sobre as informações que o mapa traz.
Obs. Respostas no caderno.

BOA CAÇADA AOE NÃO DEIXE DE PARTICIPAR!

Aguarde a próxima fase da caça ao tesouro.

DESAFIO - 2º ANO

DESAFIO
Queridos alunos/alunas, a atividade abaixo é uma atividade extra e de participação voluntária. Essa atividade será feita em etapas e que serão postadas ao longo do bimestre e cujo tema é: A Era Vargas.
INSTRUÇÕES
1. O desafio e de caráter individual;
2. As respostas deverão ser enviadas via e-mail, até a data estipulada;
3. Nas respostas deverão constar as fontes, quando necessário;
4. O aluno/aluna terá maior pontuação de acordo com o tempo de envio das respostas;
5. Só seguirão para a próxima etapa os alunos que acertarem as respostas da etapa.
1ª Etapa.
a) Qual personagem, da História do Brasil, se encontra dentro do carro?
Dica: Ele foi presidente do Brasil, durante a Primeira República.
b) O que representa e a qual contexto histórico pertence a imagem abaixo:
c) Quais fatores foram responsáveis para que a cena retratada acima ocorresse?
Respostas até o dia 18 de agosto, via e-mail.
PARTICIPE!

sexta-feira, 24 de julho de 2009

CONTEÚDO PARA O TESTE - 3º BIMESTRE

2º Ano
Revolução de 1930
- As diferentes versões
Governo Vargas
- As carcterísticas do governo Vargas
- Populismo e trabalhismo
Guerra Fria
- Características
# Nesta avaliação é importante ficar atento nas diversas interpretações sobre a Era Vargas.

3º Ano
Pós-guerra (1945-1991)
- Guerra Fria
- Características do Capitalismo
- Características do Socialismo
- Processo de descolonização Afro-asiático
- O Oriente Médio
# Nesta avaliação se dará maior importância na interpretação de textos e imagens e suas interações com o conteúdo estudado.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

ATIVIDADE 3º BIMESTRE (3ºANO)

HISTÓRIA E IMAGEM
Trabalho individual.
A atividade abaixo se relaciona com a segunda parte do trabalho e que estará valendo, juntamente com outras atividades, como nota de teste.
Valor: 2 pontos




Questão 1
Faça uma pesquisa sobre as imagens acima e com base em suas pesquisas, crie uma legenda para as imagens e produza um pequeno texto (No máximo 12 linhas) e poste no blog - comentários - até o dia 20 de agosto de 2009.

RELACIONANDO PASSADO E PRESENTE

Charge de Rex Babin, publicada no Sacramento Bee.

Questão 2

Identifique as duas imagens sobrepostas, desenhadas pelo chargista, Rex Babin, e elabore uma hipótese estabelecendo uma relação entre ambas as imagens (No máximo 8 linhas) e poste no blog - comentários - até o dia 20 de agosto de 2009.

BOM TRABALHO! CONTO COM A PARTICIPAÇÃO DE TODOS!

ATIVIDADES - 3º BIMESTRE (3º Ano)

GUERRA FRIA
A atividade abaixo se relaciona com a primeira parte do trabalho e que estará valendo, juntamente com outras atividades, como nota de teste.
Componentes: 2 (dois) alunos;
Valor: 3 pontos;
Data para o envio da resposta: até 13 de agosto de 2009.

Questão 1

Charge de Brum. Fonte: Schmidt, Mario. Nova História Crítica. Ed. nova geração. p.595.
Após observar o desenho acima e analisar o texto, faça um comentário sobre o contexto na qual, as imagens e as suas respectivas legendas, estão inseridas. Em sua resposta privilegie as características de cada um dos modelos de organização da sociedade.

Questão 2
História em quadrinhos, Treasure Chest, publicada pel Igreja Católica americana, 1961.
Atividade extraída do livro: Schmidt, Mario. Nova História Crítica. Ed. nova geração.
A partir da leitura dos quadrinhos, responda:
a) Os comunistas diziam que na sociedade socialista as grandes empresas passariam a pertencer coletivamente a toda a sociedade. Nos quadrinhos, o que aconteceria com a propriedade em geral?
b) De que modo os quadrinhos apresentam a questão do direito das mulheres ao trabalho fora de casa?
c) De acordo com os quadrinhos, o que aconteceria com a religião?

segunda-feira, 6 de julho de 2009

A importância da educação escolar


Fonte: Revista Mundo Estranho, Março 2009. Ed. Abril.
Para melhor visualização é só clicar na imagem.

sábado, 4 de julho de 2009

D. João VI - Canal Futura

"Com 12 episódios de curta-duração, a série Dom João no Brasil é baseada no livro de história em quadrinhos Dom João Carioca - a Corte no Brasil, escrito pela historiadora Lilia Schwarcz e pelo desenhista Spacca. A série usa recursos de animação para contar a saída da família de Portugal, narrar a viagem pelo Atlântico e retratar seu cotidiano no Rio. Os simpáticos personagens da cartunista Spacca freqüentam as festas e rituais da Corte, participam das missões artísticas e científicas, dos casamentos e coroações e também de episódios históricos como a Rebelião do Porto, em Portugal."
Os vídeos foram retirados da página do Canal Futura no YouTube.
Episódio 1
video
Episódio 2
video
Episódio 3
video
Episódio 4
video
Episódio 5
video
Episódio 6
video
Episódio 7
video

Para quem vai fazer UFRJ.

O que é Filosofia?
A Filosofia é um ramo do conhecimento que pode ser caracterizado de três modos: seja pelos conteúdos ou temas tratados, seja pela função que exerce na cultura, seja pela forma como trata tais temas. Com relação aos conteúdos, contemporaneamente, a Filosofia trata de conceitos tais como bem, beleza, justiça, verdade. Mas, nem sempre a Filosofia tratou de temas selecionados, como os indicados acima. No começo, na Grécia, a Filosofia tratava de todos os temas, já que até o séc. XIX não havia uma separação entre ciência e filosofia. Assim, na Grécia, a Filosofia incorporava todo o saber. No entanto, a Filosofia inaugurou um modo novo de tratamento dos temas a que passa a se dedicar, determinando uma mudança na forma de conhecimento do mundo até então vigente. Isto pode ser verificado a partir de uma análise da assim considerada primeira proposição filosófica.Se dermos crédito a Nietzsche, a primeira proposição filosófica foi aquela enunciada por Tales, a saber, que a água é o princípio de todas as coisas [Aristóteles. Metafísica, I, 3].Cabe perguntar o que haveria de filosófico na proposição de Tales. Muitos ensaiaram uma resposta a esta questão. Hegel, por exemplo, afirma: "com ela a Filosofia começa, porque através dela chega à consciência de que o um é a essência, o verdadeiro, o único que é em si e para si. Começa aqui um distanciar-se daquilo que é a nossa percepção sensível". Segundo Hegel, o filosófico aqui é o encontro do universal, a água, ou seja, um único como verdadeiro. Nietzsche, por sua vez, afirma: "a filosofia grega parece começar com uma idéia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matiz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e, enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisália [sic], está contido o pensamento: ‘Tudo é um’. A razão citada em primeiro lugar deixa Tales ainda em comunidade com os religiosos e supersticiosos, a segunda o tira dessa sociedade e no-lo mostra como investigador da natureza, mas, em virtude da terceira, Tales se torna o primeiro filósofo grego".
Trecho extraído de artigo redigido pelo Prof. Dr. Delamar José Volpato Dutra [UFSC/CNPq]. Disponível em http://www.cfh.ufsc.br/~wfil/delamar1.htm
Fonte: http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESFI/Edicoes/0/artigo66349-1.asp

REFORMA DO ENSINO MÉDIO.

Conselho de Educação aprova reforma do ensino médio.
O CNE define um currículo mínimo e as diretrizes nacionais, que mostram o que um estudante precisa saberAgência Estado
O Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou, por unanimidade, a mudança na estrutura do ensino médio. As novas diretrizes preveem uma ampliação da carga horária das atuais 2.400 horas para 3 mil horas por ano, um currículo organizado em torno de quatro eixos - trabalho, ciência, tecnologia e cultura - e com 20% de horas-aula dedicadas a disciplinas livres, que podem ir desde aulas extras de matemática ou português, até teatro, música, artes ou esportes.
As mudanças, no entanto, não valem imediatamente para todos. No início, cerca de 100 escolas em todo o País deverão ser beneficiadas com novos projetos e recursos para implementá-los. "O MEC deverá abrir, ainda no segundo semestre deste ano, um edital para novos projetos dentro dessa proposta de ensino médio inovador. Já temos no orçamento entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões para ajudar os Estados nessa mudança", disse o ministro da Educação, Fernando Haddad.
O MEC não tem o poder de definir a estrutura do ensino médio, uma atribuição dos Estados.
Nacionalmente, o CNE define um currículo mínimo e as diretrizes nacionais, que mostram aquilo que um estudante precisa saber depois de três anos de estudo. As mudanças nas diretrizes, propostas inicialmente pelo ministério, pretendem, no entanto, tirar da inércia o atual modelo, dividido em disciplinas rígidas e com muita decoreba e pouca prática, e torná-lo mais interessante para os jovens.
"A linha mestra é tornar o sistema mais flexível, mas a adesão deve ser espontânea. Isso é importante até porque será uma mudança de cultura", afirmou o vice-presidente da Câmara Básica do CNE, Mozart Ramos Neves. A divisão das horas passadas em sala de aula não precisarão mais ser em disciplinas rígidas. Ao contrário, o CNE pretende que haja mais interdisciplinaridade.
Ao mesmo tempo, os alunos terão direito a formatar o seu currículo com algo mais próximo ao que desejam estudar - por exemplo, acrescentar mais biologia e química se pretendem seguir carreira na área de saúde.
O edital que está sendo preparado pelo MEC não exclui propostas de mudanças que já estejam em andamento nos Estados, mas exigem que elas sigam os pontos determinados nessas novas diretrizes. Uma comissão do ministério vai analisar as propostas apresentadas pelos Estados e determinar aquelas que podem receber recursos.
As piores
Um dos pontos que o ministério deverá levar em conta, além das diretrizes, é que os projetos deverão ser implementados nas 100 escolas com piores resultados no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Seria uma forma de recuperar escolas hoje em situação precária. Hoje, essas 100 piores estão em todas as regiões e se espalham por 19 dos 27 Estados. As médias no Enem não passam de 36 pontos em um total de 100.
Atualmente, o ensino médio tem a maior taxa de evasão da educação básica. Entre 2005 e 2007, 661 mil estudantes abandonaram a escola. Entre 2004 e 2006 o número total de matriculados nas três séries caiu 2,9%, apesar de apenas 44% dos jovens de 15 a 17 anos, a idade correta, estarem matriculados no ensino médio.
Brasil
Mito do complô judaico-comunista ajudou na implantação do Estado NovoDe acordo com uma pesquisa realizada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciência Humanas (FFLCH) da USP, na Era Vargas, esse mito foi usado como um dispositivo de poder para a implantação do Estado Novo por meio do Plano Cohen Agência USP de Notícias
O mito da existência de uma conspiração judaico-comunista de domínio da sociedade brasileira persistiu no imaginário nacional durante muito tempo. De acordo com uma pesquisa realizada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciência Humanas (FFLCH) da USP, na Era Vargas, esse mito foi usado como um dispositivo de poder para a implantação do Estado Novo por meio do Plano Cohen. "O Plano Cohen consistiu num documento de 1936 escrito por um capitão integralista do exército, membro do serviço secreto, e que teve como objetivo simular uma tomada de poder pelos comunistas através de uma revolução", conta a autora da pesquisa, a historiadora Taciana Wiazovski. A autora fez uma comparação dos argumentos no Plano Cohen com a obra "Protocolos dos Sábios de Sião", entendendo que o primeiro pode ter influenciado o segundo. "Se a obra "Protocolos de Sábios de Sião" forja a intenção de os judeus dominarem o mundo, o Plano Cohen apresenta, também de maneira forjada, a mesma intenção dos comunistas no Brasil", conta Taciana, lembrando que Cohen é um nome de origem judaica. Taciana explica que os "Protocolos" são considerados um dos maiores "blefes" da história. Trata-se de um documento forjado que mostra o plano de dominação secreta do mundo pelos judeus. O texto é originário da Rússia czarista. Foi escrito por Sergei Nilus, funcionário do Sínodo - uma entidade paraestatal russa -, e foi baseado numa sátira escrita em 1864 por Maurice Joly contra Napoleão III. Foi publicado pela primeira vez na Rússia em 1905. "O livro influenciou Adolf Hitler a escrever Mein Kampf", comenta. De acordo com a pesquisadora, "Protocolos dos Sábios de Sião" narra um suposto encontro entre os sábios das 12 tribos de Israel que debatem como irão dominar o mundo por intermédio dos meios de comunicação e de outras instituições.
Obras anti-semitas Segundo Taciana, o mito judaico-comunista começou a ser divulgado no Brasil a partir do início do século XX, por meio, principalmente, da revista Vozes de Petrópolis fundada por alemães franciscanos e produzida por intelectuais ligados à Igreja Católica. A idéia da publicação era levar à sociedade os conceitos de uma "boa imprensa", associada a valores católicos. "Para eles, os meios de comunicação eram dominados por judeus", aponta. Outra publicação que ajudou a difundir o mito foi a Revista Ordem, produzida por intelectuais brasileiros como Hamilton Nogueira, Jackson de Figueiredo Martins, Tristão de Athaíde, entre outros. "Há ainda o livro 'Servos do Talmud', de 1948, do intelectual Luis Amaral, um especialista em questões agrárias, que faz duras críticas ao Sionismo e reproduz chavões anti-semitas ao longo de seu texto." A Vozes de Petrópolis era a representante brasileira do movimento mundial criado dentro da Igreja Católica para fortalecimento da imagem da instituição religiosa. Apesar da linha editorial voltada para a cultura, com artigos sobre música, teatro e até um dicionário de tupi, a revista publicava vasto material anti-semita, incluindo resenhas da obra "Protocolo de Sábios de Sião", citada e resenhada pela primeira vez no Brasil em 1919. Ambas as revistas eram produzidas no estado do Rio de Janeiro e traduziam e publicavam textos anti-semitas de periódicos europeus, principalmente franceses. "Ao mesmo tempo em que era feita uma 'diabolização' dos judeus, eles também eram colocados como potenciais inimigos, ao lado da maçonaria, do protestantismo, do espiritismo, do socialismo, do modernismo, do ateísmo e do positivismo", conta Taciana. "Muitos textos se referiam aos judeus de maneira indireta como, por exemplo, 'aqueles que assassinaram o coroado de espinhos' ", exemplifica. Outro fator que ajudou na manutenção do mito judaico-comunista foi o fato de a primeira expressão do partido comunista da Rússia, o BUND, ter sido criada por operários judeus. "Eles também eram muito associados a partidos de esquerda e às vezes apenas o fato de serem imigrantes do leste europeu já os transformavam em comunistas, por causa da Revolução de 1917", lembra Taciana. A pesquisadora conta que, com o passar do tempo, o mito acabou chegando aos corredores do Departamento Estadual de Ordem Política e Social do Estado de São Paulo (DEOPS) onde a Polícia Política de Getúlio Vargas confundia associações judaicas de auxílio para refugiados de guerra com associações comunistas. "Até escolas de crianças foram alvo de investigação."
Sionismo Taciana lembra que esta Polícia foi criada em 1924 para investigar estrangeiros residentes no País por conta das ideologias que traziam de seus países de origem. No livro "Servos do Talmud", Luiz Amaral cita vários autores anti-semitas. O autor também associa o movimento sionista ao fanatismo. Ele acreditava que o Estado de Israel funcionaria como um centro irradiador do comunismo e da idéia de que eles queriam o domínio mundial. A Polícia Política vai usar essa associação para perseguir os judeus no Brasil sob a acusação de 'comunismo'. Além de pesquisar exemplares das revistas e de outras publicações anti-semitas do período, Taciana também analisou arquivos do DEOPS, onde pesquisou prontuários de judeus presos e os dossiês sobre sionismo, sobre associações estrangeiras e o do Centro de Cultura e Progresso de São Paulo, que reunia judeus de esquerda.

Fonte: http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESLH/Edicoes/0/mito-do-complo-judaico-comunista-ajudou-na-implantacao-do-estado-novo-143043-1.asp

CRISE DE 1929

Material para utilização em aula sobre a Crise de 29.
http://www.esnips.com/doc/d99c9f38-507d-4c63-bbbe-2633fc3681dd/A-CRISE-DE-1929

AULA: OS REGIMES TOTALITÁRIOS

Aula apresentada no dia 2 de Julho para os alunos do 2° Ano do Ensino Médio do Colégio Fluminense de Éden.
Para ter acesso a aula é só clicar no URL abaixo.
Obs. Utilize como aula de revisão.
Apresentação em ppt sobre a Crise de 29. Pode ser de grande auxílio no seus estudos de revisão.
Um bom blog, de um estudante paulista, sobre economia e com uma análise da atual crise financeira e a crise de 1929.